O tempo passa, a verdade fica, a realidade se transforma, os conceitos mudam, as oportunidades aparecem com mais facilidade, os desejos ficam mais acessíveis, os sonhos menos impossíveis, os argumentos menos estáveis, tudo muda ou recicla, mas uma coisa não muda, a essência pura e honesta de cada um, pois com ela conseguimos tudo na vida com muito, mas com muito mais facilidade mesmo. Essa pode não ser a verdade da vida moderna, mas com certeza é a nossa verdade e é o que realmente importa para nós e para a nossa existência!

ANTIPATIA

Antipatia (do grego antipathéia, pela junção de anti = contra e pathéia = afeição) é uma aversão ou repugnância de uma pessoa para com outra. Incompatibilidade, discordância, desarmonia.

Cada pessoa tem sua própria característica. Aquelas que se nos apresentam com simplicidade, bem humorada, normalmente conquistam nossa simpatia ao primeiro contato. Entretanto, aquelas que nos passam logo no primeiro contato a impressão de pessoa orgulhosa, arrogante, pedante ou irreverente ao extremo, certamente conquistam nossa antipatia. Mas é bom não estereotipar as pessoas somente pela primeira impressão: podemos estar muito enganados.
Muitas vezes o defeito está em nosso egoísmo e em nossa arrogância. Vencido isso você verá que a antipatia desaparece. Pode também ser que seja algo relacionado à uma passagem anterior ( São desafetos de vidas passadas. Você se reencontra com essa pessoa, te dá às vezes até asco. Mas é uma forma de nos descobrirmos e acertarmos diferenças, reconciliando-nos uns com os outros. Se não der pra engolir, aceitar ou não passar mesmo, não tem problema, a vida sempre nos dá outra chance. Outra oportunidade surgirá pra reconciliação ), um encontro com um desafeto pois nada nesta vida é um coincidência segundo a doutrina de Kardec. Mas a primeira hipótese não pode ser descartada pois geralmente é a mais correta.

Sinceramente, tem gente que nasceu para ser chata, e se não nasceu, aprendeu com a vida!
Tem pessoas que não toleram nada, animais, plantas, barulho, trânsito, crianças, televisão, futebol e até seres humanos. Quando conhecemos essas pessoas, é normal absorvermos essa antipatia e ficarmos coniventes com ela. Não conseguimos, dialogar e nem escutá-las, pois só por seu olhar de reprovação e descontentamento, sabemos que querem distância de nós e não pretendem ser nossos amigos e nem conhecidos. Muitas vezes, não podemos ser bonzinhos ou ruinzinhos demais. Devemos ser normais, tipo: formais, com educação, polimento, mas sem bajulação ou demonstrar que conhecemos sua reputação ou sua fama. O ser humano, para viver bem em Sociedade ou Comunidade na verdade tem que ser “diplomata”, saber tudo, não sabendo de nada, conhecer tudo, sem demonstrar conhecimento e também não aparecer, pois isso causa inveja, que é um sentimento aliado a antipatia.

Quando sentimos alguma reação negativa, perante uma pessoa que não conhecemos de todo, esse encontro é muito mais importante para nós, do que aquele outro, onde encontramos uma pessoa de quem gostamos imediatamente, como se já a conhecêssemos há muito tempo. Embora este também seja importante.
Podemos não aproveitar a oportunidade que nos é dada ou pedida, já que é disso que efetivamente se trata, de uma nova oportunidade, mas a verdade é que se trata de um encontro deveras importante para nós ou, quem sabe, para essa mesma pessoa.
Numa outra vida, houve uma pessoa que lhe provocou dor, foi injusta consigo ou causo-lhe mal irreparável, etc. Naturalmente o seu espírito reage negativamente a essa pessoa quando volta a encontrá-la nesta sua nova vida, embora o seu cérebro, não perceba bem o que está a suceder.

A pessoa em questão, também não saberá avaliar o momento, mas talvez sinta uma irresistível vontade de ser sua amiga e de ajudar. Pois o seu espírito procura uma nova oportunidade para se redimir e compensar o mal feito.

Porque não dar-lhe essa oportunidade? Afinal se essa pessoa se redimir e, naturalmente, evoluir, também você deu um passo muito grande na sua própria evolução.
Mas pode suceder que quem se comportou mal nessa vida passada, foi você, então a oportunidade é realmente para si e, embora esteja inicialmente a reagir exatamente como antes, se parar para pensar e der uma oportunidade à pessoa para ser sua amiga, acabará por encontrar o caminho certo.

“De não simpatizarem um com o outro, não se segue que dois Espíritos sejam necessariamente maus. A antipatia, entre eles, pode derivar de diversidade no modo de pensar. À proporção irá desaparecendo e a antipatia deixará de existir”.

Um comentário:

  1. Olá Giulio,
    Belo post, bem explicado e condensado. Como sempre, atualizando as pessoas sobre situações do cotidiano, que envolvem atitudes e sentimentos. Mais uma vêz, muito bôa a escolha.
    Um abraço,
    Prof. Alípio Carvalho Moutinho Ph.D

    ResponderExcluir